Busca:
Notícias Notícias:
Publicada em 17/08/2018 às 09:30
Moradores de Barra e arredores dizem o que esperam do futuro governador do Rio
Moradores de Barra e arredores dizem o que esperam do futuro governador do Rio
No terminal Alvorada, usuários de transporte público se queixam de preço e condições de integração de modais - Ana Branco / Agência O Globo
  • Moradores de Barra e arredores dizem o que esperam do futuro governador do Rio
  • Moradores de Barra e arredores dizem o que esperam do futuro governador do Rio

Em outubro, os eleitores do Rio de Janeiro voltam às urnas para mais uma eleição majoritária no Estado, num cenário em que pesa a grave crise econômica vivida desde o final de 2015. Cada um escolherá o candidato a governador que acha mais capaz de resolver questões que considera prioritárias. A equipe do GLOBO-Barra foi às ruas da Barra e das adjacências para saber quais os principais pleitos da região aos postulantes à cadeira do Palácio Guanabara.

Mobilidade, como se sabe, é um tema sensível para o bairro. A Barra da Tijuca atrai trabalhadores de todas as outras regiões devido à grande oferta de empregos, além de funcionar como rota entre a Zona Sul e diferentes bairros da Zona Oeste. Desde o início da última gestão, em 2014, houve a expansão da malha rodoviária, com a inauguração da linha de BRT Transcarioca; o acesso a Deodoro via Transolímpica; a duplicação do Elevado das Bandeiras, que liga a Barra à São Conrado; e a criação da Linha 4 do metrô, até o Jardim Oceânico. No último dia 9, foi aprovado em segunda discussão o Projeto de Lei 2.796/2014, que autoriza o Governo do Estado a realizar um estudo de viabilidade técnica para a expansão do metrô até o Terminal Alvorada. O governador Luiz Fernando Pezão tem até o próximo dia 24 para sancionar ou vetar a medida.

O presidente da Associação de Moradores e Amigos do Jardim Oceânico (Amar), Luiz Igrejas, lembra que essa expansão foi uma promessa de campanha do atual governador.

— O metrô é a opção mais rápida e barata. O Pezão disse que ele iria até o Recreio, não cumpriu a promessa e nem vai. Muita gente pega o carro para ir até a Estação do Jardim Oceânico, e o fluxo de veículos parece até ter aumentado — diz Igrejas.

A oferta de BRTs e metrô cresceu, mas a integração entre os modais custa caro, reclamam eleitores ouvidos pela equipe do GLOBO-Barra. A tarifa para usar os dois modais na mesma viagem custa R$ 6,50, uma economia de R$ 1,75 em relação ao preço individual das passagens. Nos ônibus, o valor é bem menor: paga-se R$ 3,95 pela possibilidade de fazer duas viagens em duas horas e meia.

O jornalista João Mello segue de Botafogo até Curicica diariamente, usando metrô, BRT e van para chegar ao trabalho. Segundo ele, a dor de cabeça já começa no preço da passagem:

— Eles dizem que é integração, mas cobra-se um valor muito alto para usar BRT e metrô. E optar pelo ônibus comum fica inviável, porque várias linhas foram extintas, e as atuais fazem trajetos muito longos.

A superlotação do sistema rodoviário é a maior queixa do analista financeiro João Paulo Lima:

— Minha esperança era que as obras e as novas linhas melhorassem o transporte, mas acho até que piorou. Os ônibus do BRT estão sempre lotados, é comum estarem quebrados e sem ar-condicionado. E o intervalo entre um e outro é muito grande.

Segurança se firma entre as prioridades

O novo governador também terá desafios na área de segurança, já que não se sabe qual será o futuro da intervenção federal no estado, que pode ser prorrogada ou terminar em dezembro, e das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), cuja sobrevivência ou extinção dependerá do entendimento do novo mandatário no que diz respeito ao combate à violência. Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) mostram que os bairros da Barra e do Recreio, representados pelo 31º BPM, vêm mantendo números semelhantes ao mesmo período do ano passado, apesar da intervenção. Entre janeiro e junho deste ano ocorreram 2.042 roubos e 3.215 furtos, contra 2.047 e 3.263, respectivamente, em 2017.

A sensação de insegurança entre os moradores é amparada em outros números, conforme mostrou O GLOBO-Barra em 17 de julho. O índice de roubos a pedestres, por exemplo, cresceu na região, registrando 865 casos, mais 166 (23,74%) que no mesmo período de 2017.

Moradores já conhecem, e evitam, os pontos mais suscetíveis a assaltos no bairro. Segundo o presidente da Câmara Comunitária da Barra da Tijuca (CCBT), Delair Dumbrosck, a passarela subterrânea que liga a entrada do condomínio Nova Ipanema ao New York City Center, na Avenida das Américas, é um dos locais críticos.

— Queremos conversar com a Secretaria de Segurança para que seja possível, por exemplo, o segurança do Nova Ipanema patrulhar a passagem, ou até mesmo os agentes do BarraShopping irem além do perímetro interno — propõe Dumbrosck.

Dumbrosck diz que passarela próxima ao BarraShopping é perigosa - Ana Branco / Agência O Globo

Seguranças privados, que patrulham a passagem subterrânea durante o dia, confirmam que o local é perigoso e dizem que o risco é ainda maior para quem sai do Terminal Alvorada ou atravessa a Avenida das Américas em direção ao shopping.

Dumbrosck clama por soluções que aumentem a integração entre órgãos de segurança e a população.

— A troca de informações entre as polícias Civil e Militar e a Guarda Municipal é zero — afirma. — Nós, moradores, já fizemos reuniões com empresas de segurança privada nas quais foi abordada a necessidade de aumentar o compartilhamento de informações.

A região também tem uma série de demandas ambientais. A recuperação do complexo lagunar da Barra da Tijuca e de Jacarepaguá, num total de seis quilômetros quadrados de espelho d’água, é a principal. A promessa era despoluir o sistema até os Jogos Olímpicos de 2016.

A Cedae afirma que a cobertura de sua rede de esgoto na AP-4, que abrange Barra, Recreio e parte de Jacarepaguá, atinge 70% dos moradores da região. No entanto, não é difícil encontrar diversos pontos nas lagoas onde há despejo de esgoto in natura, prato cheio para a proliferação de gigogas, o que prejudica a fauna e a flora. O assoreamento das lagoas atrapalha também projetos como o de implantação do transporte aquaviário.

— Espero que nosso governador tenha capacidade de gestão pública para sanear as finanças do Rio e que aplique recursos em saneamento básico — diz Antônio Mello, um dos fundadores do Movimento pela Despoluição do Canal das Taxas e morador do Recreio há mais de 20 anos. — Depois da segurança, isso é o que mais preocupa os moradores do Recreio: o descaso com com os corpos hídricos.

Atuante no sistema lagunar da Barra da Tijuca desde 1992, o biólogo Mário Moscatelli tem a expectativa de que o saneamento da região seja uma prioridade da próxima gestão:

— Nos últimos 40 anos, foi feita a opção, por parte de autoridades municipais e estaduais, de jogar todo o esgoto nas cinco lagoas, que hoje estão mortas por isso. A melhor situação é a da Lagoa de Marapendi porque nenhum rio desemboca lá. A da Tijuca está em estado terminal; quando a maré baixa, 90% são lixo.

Moscatelli pretende levar todos os candidatos a governador para visitar as lagoas. Ele frisa que sua recuperação poderia valorizar os imóveis próximos, o que aumentaria a arrecadação de impostos.

— Sem poluição, a pesca e as atividades esportivas também poderiam ser mais desenvolvidas e gerar lucros — observa o biólogo, que defende a possibilidade de o governo buscar recursos privados para viabilizar o trabalho.

« leia mais notícias

fonte: https://oglobo.globo.com/rio/bairros/moradores-de-barra-arredores-dizem-que-esperam-do-futuro-governador-do-rio-22978567

Curta o Guia Jardim Oceânico:




Últimas notícias:

Fugitivo é capturado na Barra12/11/2018 às 22:28Fugitivo é capturado na Barra

 

Bandido é preso após roubar senhora na Barra12/11/2018 às 22:24Bandido é preso após roubar senhora na Barra

 

Indivíduos com entorpecentes na Barra são encaminhados para a 16ªDP12/11/2018 às 22:19Indivíduos com entorpecentes na Barra são encaminhados para a 16ªDP

 

Cadastre-se para receber a nossa newsletter: