Guia Jardim Oceânico
Busca:
Notícias Notícias:
Publicada em 11/07/2017 às 09:13
'Poderia me deixar paraplégico', diz guarda municipal esfaqueado no Rio
'Poderia me deixar paraplégico', diz guarda municipal esfaqueado no Rio
Guarda foi atingido nas costas (Foto: Divulgação GM)
  • 'Poderia me deixar paraplégico', diz guarda municipal esfaqueado no Rio

O guarda municipal ferido com uma faca na tarde de segunda-feira (10) prestou depoimento logo depois de ter ido ao hospital. Demétrio de Souza, de 46 anos, foi esfaqueado duas vezes nas costas, depois de orientar um banhista de que é proibido cães na areia da praia, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio.
“No hospital, foi feita ultra, levei dois pontos em cada ferimento, e o médico me explicou que, por centímetros, eu não fiquei com uma lesão na coluna que poderia me deixar paraplégico devido à facada que ele desferiu que pegou próximo à coluna”, disse o guarda.
O agente integra o Grupamento Especial de Praia (GEP) da Guarda Municipal. O agressor, identificado como Alexandre Paiva Gonçalves, de 26 anos, estava com o cachorro na areia, o que é proibido por lei. O homem estava acompanhado de mais dois amigos na altura do Posto 2 da Praia do Pepê e se recusou a retirar o cachorro da areia.
“Quando eu abordei, expliquei para ele o decreto. Ele olhou para mim com deboche e permaneceu na areia. Eu pedi ao colega para orientar ele sobre o decreto novamente, pra não ser eu a falar com ele novamente. O colega foi lá, abordou ele e explicou. Ele se levantou, falou que não ia sair, que ninguém ia tirar ele de lá e começou a agir com agressividade. Eu e meu colega explicamos: "Se você não tirar o cachorro da areia, vamos ter que te levar até a delegacia por desobediência". Ele continuou agressivo. O colega tentou segurar ele, ele reagiu. Fui tentar segurar para ajudar a conter ele, para trazer ele pra delegacia, quando eu segurei, ele pegou, puxou uma faca e me deu duas facadas: uma pegou próxima à coluna e uma próxima à bacia”, explicou Demétrio.
Os guardas municipais contaram que os dois amigos que estavam com ainda tentaram convencê-lo a tirar o cachorro da areia e que, como não conseguiram e perceberam que ele ficou agressivo, foram embora. Alexandre foi imobilizado e detido com o apoio de outros dois guardas da equipe do GEP, e encaminhado para a 16ª DP (Barra da Tijuca), onde a ocorrência foi registrada neste momento. A faca usada nas agressões foi apreendida. Alexandre foi preso em flagrante por lesão corporal, desacato, desobediência e resistência.
Demétrio foi socorrido para o Hospital Rio Mar. O agressor passou a noite na delegacia e, nesta terça-feira (11), haverá uma audiência de custódia. O guarda municipal agredido falou ainda das dificuldades que enfrenta todos os dias.
“Nós fazemos tudo para não ter que chegar a esse ponto. O decreto deveria dar pra gente suporte das zoonoses, para a gente poder multar o cidadão quando ele tivesse esse comportamento. A gente fala pra pessoa sair, a pessoa sai, aí no outro dia, a mesma coisa de novo, porque ela sabe que não vai sofrer sanção nenhuma. A pessoa paga pra ver. O cachorro defeca, urina na areia, e é o próprio cidadão que vai sentar ali com a família dele pra poder curtir a praia. E como vai curtir a praia com essas coisas na areia? É complicado”, completou o guarda municipal.

« leia mais notícias

fonte: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/poderia-me-deixar-paraplegico-diz-guarda-municipal-esfaqu

Cadastre-se para receber a nossa newsletter: